‘TUDO LIBERADO’: Romero Jucá libera diretórios estaduais do MDB para coligações

O presidente do MDB, senador Romero Jucá, anunciou, nesta terça-feira (22), a liberação dos diretórios estaduais para formação das suas respectivas composições eleitorais. Na prática, a medida contraria uma resolução da executiva nacional que determinava candidaturas próprias em pelo menos 12 estados, entre os quais Pernambuco. Com a nova instrução, a aliança entre MDB e PSB, para a reeleição do governador Paulo Câmara, não encontra mais nenhum obstáculo político.

A leitura, nos bastidores, é de que o presidente do MDB adotou a medida mais pragmática, visando o crescimento partidário e a contenção de revoltas internas. Havia um conjunto de, aproximadamente, oito diretórios – liderados pelo senador Renan Calheiros, com a participação do deputado federal Jarbas Vasconcelos e do vice-governador Raul Henry – inconformados com a condução de Jucá. A determinação de apoiar o presidenciável do MDB (seja quem fosse), por sua vez, comprometia as realidades regionais.

Ladeado do pré-candidato definitivo à Presidência, Henrique Meirelles, o senador Romero Jucá deixou claro que não haverá proibição de nenhuma composição estadual. “Provavelmente, o MDB estará em palanques que terão mais de um candidato a presidente e isso será respeitado. Portanto, nós vamos fazer campanha com a realidade que nós temos”, esclareceu Jucá. Inacessível, o senador Fernando Bezerra Coelho, anteriormente cogitado como possível candidato ao Governo do Estado pelo MDB, não comentou a decisão da executiva nacional. O vice-governador Raul Henry tampouco avaliou as novas condições em que dirige o partido na coalizão do governador Paulo Câmara. Na última sexta, Raul havia reafirmado sua intenção de disputar o mandato de deputado federal.

“Quando decidimos ficar no partido, entendíamos o risco de insegurança jurídica. Agora nós tínhamos a convicção de que o nosso direito era muito bom. Depois do dia 7 de abril, esse direito ficou melhor ainda, porque a jurisprudência da Justiça Eleitoral é não mudar as condições da disputa depois que o jogo tá iniciado. O MDB de Pernambuco, hoje, exerce plenamente as suas prerrogativas. Achamos que a tendência natural é que nós tenhamos autonomia para fazer nossas escolhas políticas a partir de 15 de julho”, avaliou o vice-governador, na ocasião.

A única alternativa a Fernando Bezerra, na briga com Raul Henry, seria tentar ganhar o comando da sigla, caso a liminar expedida pelo ministro do STF Ricardo Lewandowski caísse. Porém, nos bastidores, a expectativa dessa situação se reverter é mínima, razão pela qual FBC preferiu filiar o seus filhos no DEM.

O grupo de Jarbas também teve perdas significativas, mas a possibilidade de entregar o tempo de televisão do MDB à Frente Popular garante ao ex-governador o prestígio necessário para integrar a chapa majoritária. (FONTE: FolhaPE).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *